Por que reclamamos da liberdade?

José Azel

Por: José Azel - 18/11/2022

Compartilhar:    Share in whatsapp

Por definição, um governo expandido diminui as liberdades. Qualquer função que exigimos do governo exige que concedamos parte de nossa liberdade e tesouro. No entanto, grandes segmentos da população são a favor de um governo expandido, o que significa que são a favor de menos liberdades. Isso é exemplificado em nosso desejo de regulamentações governamentais.

De acordo com uma pesquisa do Pew Research Center de 2012, 40% do público acredita que regulamentar os negócios é necessário para proteger o interesse público. Entre os democratas, a proporção sobe para 57% que acreditam que as regulamentações do governo são necessárias. Em geral, o público americano apóia o fortalecimento das regulamentações ou sua manutenção em áreas específicas, como segurança alimentar e proteção ambiental.

Desde a década de 1930, principalmente a partir da administração de Franklin D Roosevelt, os americanos começaram a desenvolver a visão de que a política pública deveria assumir um amplo papel paternalista na sociedade. Hoje esse paternalismo se estende à fiscalização, aprovação, proibição ou controle da produção, compra, venda e consumo de qualquer produto ou serviço no mercado.

O paternalismo envolve a crença de que não se pode confiar nas pessoas para tomar boas decisões, forçando os reguladores do governo a agir. Assim, a motivação para muitas regulamentações paternalistas são as duas convicções de que os indivíduos tomam más decisões quando deixados para pensar por si mesmos, e que empresários gananciosos defraudam a confiança pública trapaceando para aumentar os lucros.

Sim, a negociação é uma operação de interesse próprio que incentiva e recompensa o comportamento egoísta. Mas isso não significa que fazer negócios seja o mesmo que explorar clientes. Em vez disso, em um sistema competitivo de livre empresa, os lucros resultam da oferta de valor superior aos clientes, não da exploração deles.

Os regulamentos do governo implicam a transferência de autoridade e tomada de decisão do povo para aqueles que têm poder político. Muito longe do "sistema de liberdade natural" descrito por Adam Smith, onde o governo seria restrito à defesa nacional, polícia, tribunais e um número limitado de serviços públicos. As regulamentações governamentais ignoram a grande descoberta do século 18 de que, quando as pessoas seguem seus próprios critérios, os resultados para a sociedade são muito maiores do que quando os governos têm permissão para administrar nossos negócios.

Outra razão pela qual muitos se opõem à liberdade e favorecem a expansão do governo e menos liberdades é porque a liberdade é uma fonte de desigualdades. Numa sociedade livre devemos sempre esperar resultados desiguais. Consequentemente, o pensamento socialista argumenta que o poder coercitivo do governo deve ser usado para regular vigorosamente as desigualdades de renda.

Fundamental para o socialismo é a crença de que a vida da pessoa não pertence ao indivíduo, mas sim à comunidade ou sociedade. Consequentemente, as pessoas não têm seus próprios direitos e devem sacrificá-los pelo "maior bem-estar" da sociedade. Os socialistas não veem nenhum problema em permitir que o governo use a força para obter uma distribuição predeterminada de riqueza; mesmo que tal distribuição só possa ser alcançada interferindo continuamente em nossas liberdades.

Além disso, uma distribuição igualitária forçada de riqueza é uma meta inatingível. Mesmo que fosse possível atingir, por um instante, uma desejada distribuição de riqueza, essa distribuição começaria imediatamente a se romper quando as pessoas preferissem trocar produtos e serviços com outras, ou economizar ou produzir em quantidades diferentes.

Um governo socialista expandido implica o princípio do duplo efeito identificado por Tomás de Aquino em sua Summa Theológica ao avaliar a justificação de um ato. O governo tem o duplo efeito nocivo de reduzir as liberdades. A usurpação da liberdade pelo governo é inseparável de qualquer bom resultado que se busque. Ou, como disse o economista Jean-Baptiste Say, “…a mera interferência [governamental] é um mal em si mesma, mesmo quando é útil…”.

À medida que o governo se expande, nossa liberdade é enfraquecida. Um estado paternalista invasivo e coercitivo viola a concepção americana de uma sociedade justa na qual os cidadãos têm a liberdade de escolher como projetar seu próprio futuro sem interferência do governo. Quando apoiamos a expansão governamental estamos reclamando da nossa liberdade.

O último livro do Dr. Azel é "Freedom for Newbies"