2023 como cenário do retorno da razão

Compartilhar:    Share in whatsapp

Os valores em que se baseia a cultura ocidental foram alvo de um ataque silencioso durante pelo menos quatro décadas pelas viúvas do marxismo-leninismo que viram na compartimentalização da população o caminho para obscurecer a visão global e perfurar as instituições democráticas. Foi assim que seus líderes começaram a nos dividir em mulheres contra homens; afrodescendentes contra anglo-saxões; homossexuais contra heterossexuais e muitas outras classificações de grupo mais. Essa tática permite que a causa totalitária se recupere da derrota sofrida em todas as latitudes do globo nas décadas de setenta e oitenta, quando o povo optou pela liberdade. É nesse espaço temporário que a maioria das nações deu sinais de preferir sistemas políticos baseados na separação entre Estado e Igreja; o estado de direito; a separação de poderes e; o respeito por um conjunto de direitos dos cidadãos, entre os quais se destaca o direito à autodeterminação (governantes livremente eleitos); a expressão; associação e propriedade privada. Esta nova forma de conceber e gerir o poder permitiu o crescimento do comércio; a educação será universalizada e os cidadãos participarão da formulação das políticas públicas. Assim que conceitos como a ditadura do proletariado; o partido único e a transferência da vontade individual para o estado não puderam se enraizar ou ter sucesso nas nações líderes do mundo, cuja maioria da população preferia a liberdade. Os mercados emergentes também não pareciam entusiasmados com essa narrativa que parecia incompatível com o progresso. a separação de poderes e; o respeito por um conjunto de direitos dos cidadãos, entre os quais se destaca o direito à autodeterminação (governantes livremente eleitos); a expressão; associação e propriedade privada. Esta nova forma de conceber e gerir o poder permitiu o crescimento do comércio; a educação será universalizada e os cidadãos participarão da formulação das políticas públicas. Assim que conceitos como a ditadura do proletariado; o partido único e a transferência da vontade individual para o estado não puderam se enraizar ou ter sucesso nas nações líderes do mundo, cuja maioria da população preferia a liberdade. Os mercados emergentes também não pareciam entusiasmados com essa narrativa que parecia incompatível com o progresso. a separação de poderes e; o respeito por um conjunto de direitos dos cidadãos, entre os quais se destaca o direito à autodeterminação (governantes livremente eleitos); a expressão; associação e propriedade privada. Esta nova forma de conceber e gerir o poder permitiu o crescimento do comércio; a educação será universalizada e os cidadãos participarão da formulação das políticas públicas. Assim que conceitos como a ditadura do proletariado; o partido único e a transferência da vontade individual para o estado não puderam se enraizar ou ter sucesso nas nações líderes do mundo, cuja maioria da população preferia a liberdade. Os mercados emergentes também não pareciam entusiasmados com essa narrativa que parecia incompatível com o progresso. o respeito por um conjunto de direitos dos cidadãos, entre os quais se destaca o direito à autodeterminação (governantes livremente eleitos); a expressão; associação e propriedade privada. Esta nova forma de conceber e gerir o poder permitiu o crescimento do comércio; a educação será universalizada e os cidadãos participarão da formulação das políticas públicas. Assim que conceitos como a ditadura do proletariado; o partido único e a transferência da vontade individual para o estado não puderam se enraizar ou ter sucesso nas nações líderes do mundo, cuja maioria da população preferia a liberdade. Os mercados emergentes também não pareciam entusiasmados com essa narrativa que parecia incompatível com o progresso. o respeito por um conjunto de direitos dos cidadãos, entre os quais se destaca o direito à autodeterminação (governantes livremente eleitos); a expressão; associação e propriedade privada. Esta nova forma de conceber e gerir o poder permitiu o crescimento do comércio; a educação será universalizada e os cidadãos participarão da formulação das políticas públicas. Assim que conceitos como a ditadura do proletariado; o partido único e a transferência da vontade individual para o estado não puderam se enraizar ou ter sucesso nas nações líderes do mundo, cuja maioria da população preferia a liberdade. Os mercados emergentes também não pareciam entusiasmados com essa narrativa que parecia incompatível com o progresso. associação e propriedade privada. Esta nova forma de conceber e gerir o poder permitiu o crescimento do comércio; a educação será universalizada e os cidadãos participarão da formulação das políticas públicas. Assim que conceitos como a ditadura do proletariado; o partido único e a transferência da vontade individual para o estado não puderam se enraizar ou ter sucesso nas nações líderes do mundo, cuja maioria da população preferia a liberdade. Os mercados emergentes também não pareciam entusiasmados com essa narrativa que parecia incompatível com o progresso. associação e propriedade privada. Esta nova forma de conceber e gerir o poder permitiu o crescimento do comércio; a educação será universalizada e os cidadãos participarão da formulação das políticas públicas. Assim que conceitos como a ditadura do proletariado; o partido único e a transferência da vontade individual para o estado não puderam se enraizar ou ter sucesso nas nações líderes do mundo, cuja maioria da população preferia a liberdade. Os mercados emergentes também não pareciam entusiasmados com essa narrativa que parecia incompatível com o progresso. o partido único e a transferência da vontade individual para o estado não puderam se enraizar ou ter sucesso nas nações líderes do mundo, cuja maioria da população preferia a liberdade. Os mercados emergentes também não pareciam entusiasmados com essa narrativa que parecia incompatível com o progresso. o partido único e a transferência da vontade individual para o estado não puderam se enraizar ou ter sucesso nas nações líderes do mundo, cuja maioria da população preferia a liberdade. Os mercados emergentes também não pareciam entusiasmados com essa narrativa que parecia incompatível com o progresso.

Por isso, a partir dos anos 70, iniciou-se uma guerra silenciosa contra os pilares da cultura ocidental. Os herdeiros do marxismo indicaram que não se tratava de destruir as democracias, mas de aperfeiçoá-las. Porque em cada democracia havia um núcleo da população excluído do progresso. Portanto, era preciso identificar cada núcleo e promover o surgimento de lideranças capazes de compartimentar as diversas lutas pela igualdade, respeito aos direitos civis e acesso a oportunidades de progresso. E nesse processo a visão geral foi perdida; as causas tornaram-se partidárias e a população polarizou-se. Uma população polarizada impede o funcionamento eficiente de qualquer democracia porque é impossível tomar decisões a tempo e com bom senso.

E a ausência de diálogo democrático e construção de consenso leva à paralisia das instituições e com ela a descrença dos cidadãos nelas. O sistema de administração da justiça começa a ser questionado; do sistema eleitoral; dos prefeitos; dos benefícios do comércio e exige-se cada vez mais a intervenção do Estado. Em suma, desorganiza o sistema legal e o quadro institucional que libertou o homem das tiranias. A anarquia começa a tomar conta e com ela a população busca refúgio em uma maior intervenção do Estado.

Esse ciclo macabro parece estar chegando ao fim. Porque o COVID 19 desencadeou uma avaliação da situação dos indivíduos e das nações que levou à convicção de que as mudanças só são alcançadas quando toda a sociedade civil as apoia. Na Europa, começa a ser observada uma clara preferência dos cidadãos pelo fortalecimento do estado de direito. Isso é visto nas mobilizações contra as tentativas de Victor Órban de subjugar a sociedade civil húngara. Em França, Espanha e Portugal as forças de extrema direita e esquerda estão a dar lugar a movimentos de redenção democrática. Nos Estados Unidos, o Partido Republicano está avaliando outras opções de liderança além de Donald Trump, e na América Latina, Chile e Brasil iniciaram uma espécie de renovação democrática inspirada em Montesquieu. Enquanto isso, o Peru impediu que um chefe de Estado com tendências radicais criasse anarquia ou colapso econômico. E na Bolívia, o povo de Santa Cruz luta todos os dias pelo direito à liberdade. Sinais interessantes para analisar em 2023!!