O legado do mal

O legado do mal

Diante de uma nova ofensiva que busca sua total destruição, a democracia e os mercados livres estão fogo na América Latina. Santayana disse: “aqueles que esquecem o passado estão condenados a repeti-lo.” Daí que o presente trabalho reflita sobre a concatenação de eventos em diversos países latino-americanos que insinuam o avanço furtivo e progressivo de um modelo totalitário marxista-leninista.

Publicado março 22, 2016 5:22 pm
  • AUTOR
  • AÑO DE PUBLICACION
  • ISBN-13

Diante de uma nova ofensiva que busca sua total destruição, a democracia e os mercados livres estão fogo na América Latina. Santayana disse: “aqueles que esquecem o passado estão condenados a repeti-lo.” Daí que o presente trabalho reflita sobre a concatenação de eventos em diversos países latino-americanos que insinuam o avanço furtivo e progressivo de um modelo totalitário marxista-leninista.
Succintamente, o trabalho analisa como o comunismo bolchevique dos dias da União Soviética reencarna no socialismo do século XXI, para alcançar pela maneira eleitoral o que não poderia alcançar pela luta armada. Caído no muro de Berlim, a capacidade de adaptar o derrotado levou-os a usar a democracia para destruir a democracia, e que, ao desmoronar, arrastar em sua queda para a economia de mercado. As experiências de países como a Venezuela demonstram a efetividade de tal estratégia.

Das brasas da guerra fria que ainda queimavam no final do século XX, algumas chamas retomaram que nos primeiros anos do novo milênio forjaram governos ditatoriais no controle de ferro dos poderes do estado e de todas as instituições do poder público, Particularmente o corpo eleitoral e as forças armadas e policiais. Empreenderam simultaneamente a re-nacionalização da economia e o redução de liberdades e de direitas individuais.

O autor aponta que a nova estratégia totalitária faz parte de uma complexa rede internacional de organizações e movimentos sociais, envolvendo governos afins.
O legado maligno é um trabalho controverso que desafia preconceitos, dogmatismos ideológicos e meias verdades políticas. É um trabalho apoiado por uma pesquisa completa e extensa.

O Instituto Interamericano para a Democracia é uma organização sem fins lucrativos, de acordo com a regra 501 (c) (3) do Internal Revenue Service (IRS). As contribuições podem se qualificar como doações de entidades corporativas. As contribuições – isentas de impostos, conforme permitido por lei – são recebidas de indivíduos, fundações, corporações e parcerias limitadas.